OR #110 – Política monetária do Banco de Moçambique: Qual é o Gato escondido?

OR #110 – Política monetária do Banco de Moçambique: Qual é o Gato escondido?


Descrição

  • 13 Abril 2021

O texto pretende analisar alguns dos aspectos essenciais da gestão da política monetária (creditícia e de taxas de juro, oferta monetária e reservas obrigatórias dos bancos comerciais junto do banco central – base monetária -, cambial e reservas internacionais). O estudo cobre o período 2000-2021 com ênfase para a crise a partir de 2016. Tendo em conta o período analisado, tem importância as funções da gestão monetária relacionadas com ciclos curtos da economia (com coincidência em ciclos políticos) e a coordenação com a política fiscal, focalizando-se nos efeitos sobre a economia real (crescimento económico, dívida pública, importações e exportações, crédito, pobreza, entre outras).

Em síntese, o Banco de Moçambique tem tido uma política monetária conservadora (excessiva para alguns analistas), cautelosa (reserva monetária e reservas internacionais elevadas), supondo a defesa da solvabilidade e robustez do sistema financeiro nacional. A gestão da política monetária visa, em primeiro lugar, assegurar os equilíbrios nominais da economia e tem sido, em alguns períodos, penalizadora da economia real (crescimento económico, rendimento per capita médio, exportações e importações, competitividade da economia) e não tem contribuído para a transformação estrutural da economia e maior equidade social. O Banco Central e os bancos comerciais têm financiado a galopante dívida pública interna em prejuízo das empresas e das famílias.