DR #169 – Investimento directo estrangeiro: “Extractivisando” a economia moçambicana

DR #169 – Investimento directo estrangeiro: “Extractivisando” a economia moçambicana


Descrição

  • 6 Maio 2022

O presente estudo abrange o período de 2002 a 2020, o que permite analisar as tendências das principais variáveis relacionadas com o tema. Neste texto parcial, é analisada a evolução das principais variáveis do investimento externo (apenas privado) em forma de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) realizado em Moçambique.

Em síntese, o IDE possui as seguintes características: (1) concentração nos sectores extractivistas de recursos naturais, commodities e exportação de capital, com efeitos e externalidades ambientais e sociais graves (florestas, carvão, infra-estruturas, reassentamentos, pobreza, saúde pública, etc.); (2) concentração territorial e sectorial, provocando desequilíbrios espaciais e sociais e sem criação de valor acrescentado no país; (3) a reexportação do capital e dos lucros revelam que a acumulação se realiza no exterior; (4) instabilidade dos fluxos e de execução dos investimentos (carvão, gás, florestas, etc.), o que tem consequências sobre as contas públicas e a balança de pagamentos, o emprego e outras variáveis macro e micro económicas e sociais.