Do “inimigo sem rosto” à hipótese do diálogo: identidades, pretensões e canais de comunicação com os machababos